SINDROME PÓS POLIOMIELITE

12 agosto 2017

Síndrome Pós-Poliomielite


O impacto da Síndrome Pós-Poliomielite na vida das pessoas que contraíram a poliomielite (paralisia infantil), nova doença, irreversível e incapacitante.
A Síndrome Pós-Poliomielite afeta os neurônios motores, e requer um novo olhar sobre os pacientes que contraíram a pólio, com uma nova abordagem sobre o tratamento, por equipes médicas multidisciplinares. Apesar da existência de vacina para proteger as pessoas contra a paralisia infantil, ainda não se encontrou a sua cura definitiva.
A Síndrome Pós-Poliomielite é uma desordem neurológica que acomete pessoas por volta dos 40 anos que, pelo menos 15 anos antes, foram infectadas pelo vírus da poliomielite e desenvolveram uma forma aguda ou inaparente da doença.
A principal característica da Síndrome Pós-Poliomielite é a perda das funções musculares que tinham permanecido estabilizadas no intervalo entre a recuperação e o aparecimento dos novos sintomas.
O quadro não é provocado pela reativação do vírus da poliomielite, mas pelo desgaste proveniente da utilização excessiva dos neurônios motores próximos daqueles que foram destruídos pelo poliovírus. Isso acontece porque, para compensar essa falta, apesar de também terem sido afetados, os neurônios sobreviventes passaram a enviar ramificações para inervar os feixes musculares comprometidos pela doença.
A tendência é que os casos de Síndrome Pós-Poliomielite diminuam consideravelmente nos países em que as campanhas de vacinação contra a poliomielite representaram uma estratégia importante para erradicar a doença.
Não existem estatísticas precisas sobre o número de portadores da Síndrome Pós-Poliomielite no Brasil. Na verdade, só em 2010, a enfermidade foi incluída no Catálogo Internacional de Doenças (CID 2010), graças a um trabalho desenvolvido por pesquisadores brasileiros na UNIFESP.

Sintomas
A Síndrome Pós-Poliomielite pode manifestar-se tanto em pacientes que desenvolveram um episódio de paralisia flácida quanto naqueles em que a infecção não deixou esse tipo de sequela.
Os principais sintomas da Síndrome Pós-Poliomielite são:

  • *      Fraqueza muscular progressiva nos membros atingidos ou não pela doença;
  • *      Cansaço excessivo;
  • *      Dores musculares e nas articulações;
  • *      Cãibras;
  • *      Dor de cabeça;
  • *      Dificuldade de deglutição e para controlar os esfíncteres;
  • *      Hipersensibilidade ao frio;
  • *      Distúrbios do sono;
  • *      Problemas respiratórios;
  • *      Depressão;
  • *      Ansiedade.
Diagnóstico
O diagnóstico leva em conta os sinais da Síndrome Pós-Poliomielite instalados há mais de um ano em pessoas que tiveram poliomielite no passado.  A eletroneuromiografia pode ser um exame útil para avaliar alterações na inervação e ajudar a excluir a possibilidade de outras doenças degenerativas com sintomas semelhantes.

Tratamento
Não existe tratamento específico para a Síndrome Pós-Poliomielite.  A abordagem é sempre multidisciplinar e inclui exercícios aeróbicos leves, de alongamento, de resistência com pouca carga, hidroterapia, orientação nutricional, assim como o uso de órteses (bengalas, muletas, andadores, coletes, por exemplo), de próteses, de equipamentos de assistência e suporte, de medicamentos para controle da dor e da ansiedade.
A fisioterapia é um recurso essencial para ajudar a manter a função muscular.

Recomendações
Pacientes com síndrome pós-pólio devem ser orientados para:
Ø  Reduzir ao máximo o gasto desnecessário de energia;
Ø  Estabelecer uma rotina de vida que permita incluir períodos de repouso entre as atividades do dia a dia;
Ø  Investir no condicionamento físico adequado visando ao fortalecimento da capacidade funcional;
Ø  Evitar realizar movimentos repetitivos;
Ø  Exercitar os músculos de forma criteriosa para que não atrofiem;
Ø  Valer-se do uso de equipamentos ou próteses que ajude a retardar o processo de evolução da doença.

Considerações Finais
Parece cada vez mais provável que a ameaça milenar da poliomielite em breve chegará ao fim. No entanto, a sombra da poliomielite vai continuar por décadas, tendo um pedágio significativo sobre a saúde e o bem-estar de milhões de pessoas com Síndrome Pós-Poliomielite. A situação atual e as necessidades futuras são ainda desconhecidas. Suas vidas serão limitadas e não por sua deficiência, mas as ramificações médicas e sociais de sua deficiência, o estigma, a marginalização social e barreiras para recursos, tais como assistência médica, educação e emprego, que irá resultar em pobreza, falta de escolha e a negação dos direitos humanos fundamentais. Pesquisa e advocacia, bem como programas e políticas, são necessários para maximizar a saúde de forma mais eficaz aos sobreviventes da pólio e bem-estar, promovendo uma maior participação e inclusão social.

A erradicação da poliomielite é um campo de provas, um teste. Ele vai revelar o que os seres humanos são capazes de fazer, e sugerir como ambicioso que pode ser o nosso futuro. No entanto, argumenta-se que esta afirmação é igualmente relevante para aqueles enfrentando as consequências incapacitantes da poliomielite que resultaram na Síndrome Pós-Poliomielite. A batalha contra a poliomielite não será vencida até que a comunidade global possa garantir aqueles que vivem com as consequências incapacitantes da poliomielite que suas necessidades serão atendidas e os recursos serão disponibilizados para que possam funcionar plenamente e livremente nas sociedades em que vivem  agora e nas décadas que virão.
Para contribuir com a questão pública, pauto alguns pontos importantes no dia a dia do paciente acometido pela Síndrome Pós Poliomielite:
Distribuição de EQUIPAMENTO MOTORIZADO aos Pacientes acometidos pela Síndrome Pós Poliomielite com indicação médica para quem precisa se locomover de forma independente e confortável, com o mínimo de esforço em virtude do agravamento dos sintomas de degeneração e fadiga.
Distribuição de medicação de primeira geração para o controle das dificuldades degenerativas, fadigas e outros sintomas da Síndrome Pós Poliomielite.
Reforça a divulgação em âmbito nacional da Revisão e Atualização da Organização Mundial de Saúde, realizada na Classificação Internacional de Doenças, versão 10 (CID-10), concedeu um lugar especial Síndrome Pós Poliomielite (SPP), classificando-o no âmbito do "G14" tornando-se parte das doenças do sistema nervoso central.
Divulgar e considerar como centro de referencia o trabalho desenvolvido por pesquisadores brasileiros na Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) – Escola Paulista de Medicina (EPM) o qual criou o primeiro Ambulatório Especializado em Síndrome Pós Poliomielite na América Latina, sob a responsabilidade do Prof. Dr. Acary Souza Bulle Oliveira, Chefe do Setor de Investigação em Doenças Neuromusculares.


25 junho 2017

Nervo frênico Insidious na Síndrome Pós-Poliomielite

Matsumoto Hiroyuki Imai Tomihiro 
Original em Inglês, traduzida para o espanhol: Dr. Jorge Federico Eufracio Téllez

Abstrato
Uma mulher de 49 anos, com seqüelas de poliomielite amiotrófica experimentado fraqueza progressiva do membro superior esquerdo e desconforto para respirar durante a caminhada que se desenvolveu ao longo de um ano antes de atendê-la. Tinha que flácido quadriplegia foi mais acentuada no membro superior esquerdo sendo músculos mais afetados inervados por C5 e C4. As radiografias de tórax de dupla exposição em inspiração e expiração máxima revelou movimentos respiratórios pobres da cúpula diafragmática esquerda. O estudo da condução do nervo frênico mostrou paralisia diafragmática visível no lado esquerdo. O estudo eletrofisiológico apoiou os achados radiológicos e fornece orientações úteis para a detecção do nervo frênico insidioso no teste de Síndrome Pós-Poliomielite.

Palavras-chave: Pós-Poliomielite, a paralisia do nervo frênico, insuficiência respiratória, a condução do nervo frênico, síndrome diafragmática potencial de ação

Introdução

Nós descrevemos um paciente com Síndrome Pós-Poliomielite (PPS), no qual o envolvimento do nervo frênico unilateral foi finalmente diagnosticada pelo estudo da condução do nervo frênico. A insuficiência respiratória, o que é comum em pacientes com SPP (1), pode ser associado com a síndrome da apnéia do sono. Enquanto espera-se que as complicações respiratórias se correlacionam com cifoescoliose e paralisia diafragmática demonstrado pela radiologia, estes sintomas costumam ter um início insidioso e geralmente se desenvolvem sem sinais individuais em exames clínicos e radiológicos.

Relato de Caso

Uma mulher de 49 anos, com atrofia das conseqüências atribuídas a membros da poliomielite apresentados com fraqueza progressiva do membro superior esquerdo e respirando desconforto ao caminhar. Os sintomas tinham desenvolvido cerca de 1 ano antes de apresentar 43 anos depois da poliomielite inicial. Em testes de rotina para monitorar o  Departamento de Neurologia da Faculdade de Medicina de Sapporo, Sapporo University Medical Recebido para publicação 18 de novembro de 2005 Aceito para publicação em 02 de março de 2006 Correspondência para Tomihiro Imai, Departamento de Neurologia, Sapporo Faculdade de Medicina, seqüela de poliomielite na idade de 46 anos, os exames laboratoriais, incluindo a condução do nervo frênico não mostrou anormalidades respiratórias (Fig. 1). A segunda avaliação da função respiratória foi realizada em nossa instituição para investigar os sintomas.

Na idade de 5 anos, o paciente teve poliomielite paralítica prévia com quadriplegia, que foi mais acentuada no membro superior esquerdo. Ela recuperou gradualmente, caiu para seqüela moderada incluindo paralisia e atrofia dos músculos proximais do membro superior esquerdo, mas nenhuma fraqueza gritante dos músculos respiratórios.

Um novo início de fraqueza muscular no membro superior esquerdo foi diagnosticado como SPP após estudos eletrofisiológicos e de neuroimagem para descartar doença neurológica ou neurônio motor radiculomyelopathy cervical e neuropatia periférica. O estudo revelou um padrão de interferência eletromiográfico pobre no músculo atrofia do membro superior esquerdo. Não houve atividade espontânea gravado a partir de músculos atrofiados neurogênicas em repouso. Os dados laboratoriais não indicaram outras condições médicas subjacentes, como diabetes, doenças do colágeno, outras doenças virais importantes, ou exposição a agentes tóxicos.

Testes de função pulmonar não detectou qualquer restritivo (capacidade pulmonar total de 2,95 litros, 117% do previsto) anormalidade. A manobra de expiração forçada foi concluída em menos de um segundo. A PCO2 e O2 eram 37,2 milímetros / Hg e 94,5 mm / Hg, respectivamente, no ar da sala.

Embora a radiografia anteroposterior rotina do peito apresentaram resultados normais, radiografias tomadas com a máxima inspiração e expiração revelou movimentos pobres da cúpula diafragmática esquerda. Realizar um estudo do nervo frênico foi realizada e foi comparado com os resultados do estudo anterior com a idade de 46 anos. Potenciais de ação diafragmática (DAP) foram gravados usando um eletromiógrafo Viking IV (Nicolet Biomedical, Madison, WI, EUA). O método normal de gravação de dados foram descritos em nosso estudo anterior.

Discussão

O surgimento de nova fraqueza, por vezes acompanhado por atrofia muscular, é o problema mais importante neurológico após a poliomielite, e tem sido referido como SPP. O ponto fraco é geralmente assimétrica e pode ser proximal, distal ou partes. Estudos de autópsia mostraram inflamação na espinal medula de pacientes com SPP (3). No entanto, o processo inflamatório não está completamente esclarecido, embora alguns mecanismos têm sido propostos, tais como a infecção persistente da poliomielite, vírus da imuno-mediada e a síndrome de resposta de neurónios de degeneração (3). Outra hipótese é que o estresse metabólico excessivo nos restantes neurônios motores ao longo de muitos anos, eventualmente, resulta em perda de novo nervo e, finalmente, os próprios neurônios motores (4) terminais. A última hipótese é consistente com as estatísticas que indicam que a fraqueza é mais propensos a desenvolver mais tarde nos músculos afetados previamente em músculos clinicamente não afetados, como visto neste caso. Perda neuronal pode ser localizada principalmente na medula cervical esquerda, especialmente C3 a C5, que fornece os núcleos frênico (5) e os neurônios motores que inervam os músculos proximais das extremidades superiores.

Não está claro se a paralisia do nervo frênico incompleta e desconforto ao caminhar respiração são independentes ou associados neste caso. Um estudo de acompanhamento é garantido para elucidar a relação temporal entre insuficiência respiratória e o curso da paralisia do nervo frênico pode permanecer unilateral ou bilateral se tornar no futuro.

Referências

1. Lane DJ, Hazleman B, Nichols PJR. Late onset respiratory failure in patients with previous poliomyelitis. Q J Med 43: 551-568, 1974. 2. Imai T, Yuasa H, Kato Y, Matsumoto H. Aging of phrenic nerve conduction in the elderly. Clin Neurophysiol 116: 2560-2564, 2005. 3. Jubelt B, Drucker J. Poliomyelitis and the post-polio syndrome. In: Motor Disorders, Younger DS, Eds. Lippincott Williams & Wilkins, Philadelphia, 1999: 381-395. 4. Grimby G, Stalberg E, Sandberg A, Sunnerhagen KS. An 8-year longitudinal study of muscle strength, muscle fiber size, and dynamic electromyogram in individuals with late polio. Muscle Nerve 21: 1428-1437, 1998. 5. Rouval RV, Pal GP. Location of the phrenic nucleus in the human spinal cord. J Anat 195: 617-621, 1999.

©2006 The Japanese Society of Internal Medicine
(DOI: 10.2169/internalmedicine.45.1657)


Original em Inglês, traduzida para o espanhol: Dr. Jorge Federico Eufracio Téllez

24 junho 2017

Avaliação do gasto energético em indivíduos com síndrome pós-poliomielite.



Avaliação do consumo energético dos indivíduos com síndrome pós-poliomielite
Roberto Dias Batista Pereira; Tatiana Mesquita e Silva; Abrahão Augusto Juviniano Quadros; Marco Orsini; Beny Schmidt; Helga Cristina Almeida Silva; Acary Souza Bulle Oliveira
Universidade Federal de São Paulo, Setor de Investigação nas Doenças Neuromusculares, São Paulo SP, Brasil; Centro Universitário Augusto Motta, Mestrado em Ciências da Reabilitação, Bonsucesso RJ, Brasil; Universidade Severino Sombra, Mestrado em Ciências Aplicadas a Saúde, Vassouras RJ, Brasil; Universidade Federal de São Paulo, Departamento de Anestesiologia, São Paulo SP, Brasil.
O objetivo deste estudo foi identificar o gasto energético, retrospectivamente, em indivíduos com síndrome pós-poliomielite (PPS) na população brasileira.
Métodos
Foi utilizado o questionário para avaliação da atividade física habitual (AFH) nos pacientes com PPS, sequela de poliomielite (SP) e grupo controle (GC). Participaram do estudo 116 indivíduos (PPS = 52, SP = 28, GC = 36).
Resultados
Pacientes com PPS tendem a aumentar a AFH dos 10 aos 20 anos, comparados com os grupos SP e GC. No período dos 21 aos 30 anos, houve aumento significativo da atividade física ocupacional do grupo PPS em relação ao grupo SP e atividade física ocupacional (21-30 anos) correlacionou-se com o aparecimento dos sintomas da PPS.
Conclusão
Pacientes com PPS apresenta maior gasto de energia durante uma vida, especialmente na atividade física ocupacional nas idades 21-30 anos, sugerindo que esta é uma crítica para o desenvolvimento da PPS.
Palavras-Chave: síndrome pós-poliomielite; Poliomielite; Metabolismo energético.
A síndrome pós-poliomielite (PPS) é um efeito tardio da poliomielite, classificada como neuronopatia motora, uma vez que os aspectos clínicos e histológicos estão intimamente relacionados à disfunção dos neurônios motores inferiores. A frequência de PPS varia de 22% a 80% em diferentes estudos internacionais. Um estudo brasileiro mostrou uma frequência de 77,2% em pacientes classificados como PPS, sendo 62,8% mulheres e 37,2% homens.
O PPS geralmente ocorre 30-50 anos após a infecção aguda da poliomielite. É caracterizada por novos sintomas ou piora de sintomas residuais anteriores, tais como: fraqueza nova, fadiga muscular, nova atrofia, dor muscular, dor nas articulações e intolerância ao frio. Atualmente, é reconhecida como uma entidade da doença definida pela Organização Mundial de Saúde, e está representada no Código Internacional de Distúrbios (ICD10 / G14).
Diferentes hipóteses têm sido propostas para a fisiopatologia do PPS, mas a mais aceita é a teoria do "overuse" (sobrecarga ou overtraining), proposta por Charcot  e defendida por outros.
A característica mais importante do PPS é o desenvolvimento de uma nova fraqueza muscular. Esta nova fraqueza pode ocorrer em músculos que já têm algum grau de fraqueza muscular ou músculos que foram previamente comprometidos, e posteriormente reinervados. Esta nova fraqueza inevitavelmente leva ao aumento do gasto energético para o desempenho da atividade física de rotina.
Alguns fatores de risco, como idade, gênero, severidade da paralisia, dor, intensidade do exercício muscular ou atividade física, podem contribuir para o desenvolvimento de PPS. As relações possíveis entre esses fatores e o metabolismo energético são de suma importância.
Diferentes métodos são utilizados para a avaliação subjetiva da atividade física habitual; A maioria deles é representada por questionários provenientes de estudos epidemiológicos. A avaliação da atividade física por questionário é um método que é influenciado principalmente pela capacidade das pessoas de se lembrarem.
O questionário de Baecke para a avaliação da atividade física habitual é um instrumento de recall fácil de aplicar e compreensível; É uma escala qualitativo-quantitativa e aborda aspectos como atividade física ocupacional, exercício físico em lazer e atividades de lazer e locomoção. Este instrumento tem sido utilizado em estudos epidemiológicos na população brasileira.
O objetivo deste estudo foi identificar o gasto energético, retrospectivamente, em indivíduos com PPS na população brasileira e verificar se a atividade física pode ser um fator predisponente para o desenvolvimento de PPS, ou piora dos sintomas do paciente.
MÉTODOS
Três grupos distintos de indivíduos foram avaliados: seqüelas de poliomielite (PS), PPS, e um grupo controle (CG). A população de interesse foi composta por pacientes com história de poliomielite paralítica submetidos a monitoramento ambulatorial na Unidade de Transtornos Neuromusculares da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), no município de São Paulo, Brasil, e indivíduos saudáveis ​​(cuidadores de pacientes) , Entre os anos 2007-2009.
Os critérios de inclusão foram pacientes do sexo masculino e feminino com diagnóstico confirmado de pólio paralítico e PPS. Foram excluídos pacientes com idade superior a 60 anos e a presença de qualquer doença ou condição médica que pudesse levar à fraqueza muscular. Este estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética da UNIFESP e todos os pacientes envolvidos no estudo concordaram e assinaram o termo de consentimento livre e esclarecido.
Para avaliar a atividade física habitual, utilizamos o questionário de Baecke, que foi traduzido e validado em português por Florindo e Latorre.
O Baecke engloba três níveis de atividade física caracterizados por atividade física ocupacional (questões 1-8), exercício físico e atividades de lazer (perguntas 9-12), e atividades físicas de lazer e locomoção (questões 13-16), que compreendem a Avaliação da atividade física habitual. A pontuação total (TS) é a soma dos escores destes três níveis. As fórmulas para calcular o questionário Baecke foram:
TS = OPA + PEL + LLA
Vq = valor da pergunta
OPA = atividade física ocupacional
PEL = exercícios físicos em lazer
LLA = atividades físicas de lazer e locomoção
TS = pontuação total
O questionário de Baecke foi aplicado apenas uma vez aos três grupos (PS, PPS e CG), avaliando o histórico de atividade física ao longo da vida em períodos de 10-20 anos de idade, 21-30 anos de idade e nos últimos 12 meses, Excluindo as atividades ocupacionais no período de 10-20 anos, resultando em nove pontuações finais dos respectivos períodos.
Metodologia de aplicação dos questionários:
Para a classificação do gasto energético da atividade física ocupacional e os tipos de exercício que não estavam no perfil de padronização, utilizamos os estudos de Ainsworth et al. e McArdle et al. como referência. O primeiro estudo foi um esquema de codificação para a classificação do custo energético das atividades físicas humanas, e este propôs níveis de classificação do gasto energético humano da atividade física (baseado em um múltiplo da taxa metabólica em repouso).
Para a avaliação da fadiga, utilizamos a Escala de Gravidade da Fadiga. É composto de nove itens. Os indivíduos registram suas respostas de 1-7 (1 significa que discordam completamente e 7 indica que concordam inteiramente com a indicação). Esta escala avalia a queixa de fadiga nas duas semanas anteriores.
Também utilizamos a ferramenta abreviada de avaliação da qualidade de vida da Organização Mundial da Saúde. Este questionário tem 26 perguntas, as duas primeiras são gerais e as outras 24 divididas em quatro domínios: físico (dom 1), psicológico (dom 2), relações sociais (dom 3), ambiente (dom 4) e global. Passos para verificar e limpar dados e computar facetas e resultados de domínio foram:
Recode q3 q4 q26 (1 = 5) (2 = 4) (3 = 3) (4 = 2) (5 = 1).
Calcula dom 1 = (média6 (q3, q4, q10, q15, q16, q17, q18)) * 4.
Calcula dom 2 = (média 5 (q5, q6, q7, q11, q19, q26)) * 4
Calcula dom 3 = (média 2 (q20, q21, q22)) * 4
Calcula dom 4 = (média 6 (q8, q9, q12, q13, q14, q23, q24, q25)) * 4
Calcular total = (média 2 (q1, q2)) * 4
As análises foram realizadas pelo software PRISM 3, comparando sua porcentagem por categoria, cálculo da média, mediana e desvio padrão.
Variáveis ​​contínuas com distribuição normal foram testadas pelo teste de Kolmogorov-Smirnov.
A análise de variância (ANOVA) foi utilizada para comparar os grupos com dados paramétricos. Quando foram encontradas diferenças estatisticamente significantes, a análise foi complementada pelo teste de Tukey.
A análise de variância (Kruskall-Wallis) foi utilizada para comparar os grupos quando apresentados com dados não-paramétricos. Quando foram encontradas diferenças estatisticamente significativas, a análise foi complementada pelo teste de Dunn.
A avaliação da correlação linear foi feita utilizando o coeficiente de correlação de Spearman (r). Para todos os testes, os resultados foram considerados estatisticamente significativos quando p <0,05.
RESULTADOS
Cento e dezesseis indivíduos participaram do estudo, 52 com PPS, 28 com PS e 36 no GC. A distribuição de gênero do CG foi de 19 mulheres (52,7%) e 17 homens (47,3%); No grupo PS: 17 mulheres (60,7%) e 11 homens (39,3%); E no grupo PPS havia 26 mulheres (50%) e 26 homens (50%).
A idade média para cada grupo foi: 42,86 ± 9,22 anos para o CG; 43,31 ± 6,91 anos para o grupo PS; E 43,83 ± 6,65 anos para o grupo PPS (variando de 30 a 59 anos). Medidas de tendência central e dispersão para variáveis ​​antropométricas, avaliadas por grupo, são apresentadas na Tabela 1 .
Tabela 1 Valores médios e desvios-padrão das características antropométricas dos grupos envolvidos no estudo.
Variável
CG (n = 36)
PS (n = 28)
PPS (n = 52)
Altura (cm)
170,5 ± 10,9 *
161,2 ± 8,0
163,4 ± 10,3
Peso (Kg)
74,6 ± 17,6
62,7 ± 15,8 **
68,7 ± 15,4
IMC (Kg / m2)
25,5 ± 4,1
23,8 ± 4,9
25,5 ± 4,1
Testar ANOVA (análise de variância de uma via); * P = 0,0007 vs PS e PPS; ** p = 0,0124 vs CG.
CG: grupo de controlo; PS: seqüelas de poliomielite; PPS: síndrome pós-poliomielite; IMC: índice de massa corporal.
A menor idade na qual a poliomielite aguda ocorreu foi de 23 dias e a maior foi de oito anos; A média foi de 19,71 meses (um ano e sete meses), com um desvio padrão de 16,8 meses (1,4 anos) e a mediana de 18 meses (nove e 24 meses). A idade média de início dos novos sintomas de PPS foi de 37,7 ± 6,3 anos (24-53 anos).
Na Escala de Gravidade da Fadiga, houve diferença significativa (p <0,0001) entre o CG (17,56 ± 11,4), o PS (27,29 ± 20,5) e o grupo PPS (51,48 ± 14,21). O grupo PPS apresentou maiores escores de fadiga, com 92,3% dos pacientes sendo classificados com fadiga. Por outro lado, nos grupos PS e PPS, não houve relação entre fadiga e outros critérios avaliados neste estudo (demográfico, antropométrico, história de poliomielite, qualidade de vida e gasto energético).
O grupo de pacientes com PPS apresentou índice de qualidade de vida significativamente pior nos domínios físico, psicológico e ambiental, quando comparado aos demais grupos (CG e PS). Não houve diferença no domínio das redes sociais ( Tabela 2 ).
Tabela 2 Classificação dos escores para cada grupo de domínios do WHOQOL-Bref.
Domínio WHOQOL
CG (n = 36)
PS (n = 28)
PPS (n = 52)
P-valor
Fisica
75,9 ± 14,3
67,9 ± 17,1
42,4 ± 16,5
<0,0001 a
Psicológico
73,6 ± 13,4
73,5 ± 15,6
59,3 ± 16,9
<0,0001 b
Relações sociais
74,6 ± 20,5
72,7 ± 21,1
67,8 ± 18,5
(Ns) 0,128
Meio Ambiente
66,1 ± 17,5
62,7 ± 17,0
56,7 ± 15,7
= 0,0312 c
Teste ANOVA (análise de variância de uma via) com o pós-teste de Tukey, diferença significativa: um grupo PPS vs PS e CG; Grupo B PPS vs PS e GC; C grupo PPS vs CG. CG: grupo de controlo; PS: seqüelas de poliomielite; PPS: síndrome pós-poliomielite; WHOQOL: Escala de Qualidade de Vida da Organização Mundial de Saúde.
O grupo PPS apresentou aumento no gasto energético em suas atividades ocupacionais (profissional), comparado ao grupo PS no período de 21 a 30 anos de idade.
* P <0,05 vs PS (Teste Kruskal-Wallis). CG: grupo de controlo; PS: seqüelas de poliomielite; PPS: síndrome pós-poliomielite; OPA: atividade física ocupacional.
Comparação longitudinal do período de 21 a 30 anos de idade entre CG, PS e PPS do escore OPA.
A atividade física ocupacional entre 21 e 30 anos mostrou correlações com outras variáveis ​​da pesquisa ( Tabela 3 ).
Tabela 3 Coeficientes de correlação de Spearman e valores de P entre a atividade física ocupacional (21 a 30 anos) e as variáveis ​​anos de estudo, poliomielite aguda e idade de início de novos sintomas.
Variáveis
Os coeficientes de correlação (r)
P-valor
Educação (anos de estudo)
- 0,3720
0,0066
Poliomielite aguda
- 0,2803
0,0390
Idade no início do PPS
- 0,2796
<0,0447
A Figura 3 mostra que o grupo PPS, durante a avaliação da atividade física realizada nos últimos 12 meses, apresentou menor gasto energético em todas as pontuações do Questionário Baecke de Atividade Física Habitual, em relação ao PS e CG.
CG: grupo de controlo; PS: seqüelas de poliomielite; PPS: síndrome pós-poliomielite; OPA: atividade física ocupacional; PEL: exercícios físicos em lazer; LLA: atividades físicas de lazer e locomoção; TS: pontuação total.
Figura 3 Comparação longitudinal do período dos últimos 12 meses entre CG, PS e PPS de OPA, PEL, LLA e Total Score (TS). Todas as análises foram realizadas usando o Kruskal-Wallis: * p <0,05 vs PS e GC.
DISCUSSÃO
O objetivo deste estudo foi descrever o perfil do gasto energético utilizando o Questionário Baecke de Atividade Física Habitual, mostrando a relação entre atividade física habitual e o desenvolvimento de sintomas de PPS. Neste estudo, foi importante avaliar se a atividade física pode ser um fator predisponente para o desenvolvimento de PPS, ou piora de seus sintomas.
A fadiga foi encontrada com alta frequência afetando, em média, dois terços dos pacientes com PPS. Esse achado pode ser visto tanto em estudos nos Estados Unidos como em outros estudos brasileiros. O estudo de Conde et al. demonstraram que a fadiga em pacientes com PPS não está relacionada com a hora do dia (manhã ou à noite), mas com o tipo de atividade. Em nossa pesquisa, analisamos a história da atividade física, das profissões e dos esportes praticados e não encontramos relação com a variável fadiga. Isso pode ser explicado por duas hipóteses: a fadiga é um sintoma independente que merece manejo específico; Ou fadiga não é um bom marcador de PPS.
Os pacientes com PPS apresentaram baixa qualidade de vida em relação aos grupos PS e CG, principalmente nos domínios físico, psicológico e ambiental. A apresentação de novos sintomas por si só, é susceptível de levar a uma qualidade de vida prejudicada em comparação com os outros grupos.
Os três grupos (CG, PS e PPS) apresentaram um aumento gradual e significativo nos escores de atividade física ocupacional e escores totais nos três períodos analisados. Mas houve uma diminuição gradual e significativa ao longo dos anos nos escores de atividade física no lazer e atividade física no lazer e na locomoção, provavelmente devido a mudanças no estilo de vida, resultando em inatividade nas práticas esportivas de lazer.
Entretanto, no período clínico estudado (12 meses prévios), o agravamento clínico nos pacientes com PPS pode explicar por que eles não poderiam realizar atividades de lazer, ao contrário de falta de oportunidade, falta de desejo ou prazer ligado a outro fator. Tanto o grupo PS quanto o PPS tiveram história de seqüelas e incapacidades físicas, mas somente o grupo PPS mostrou uma diminuição significativa em todas as suas atividades físicas habituais (atividade física ocupacional, exercício físico e atividades de lazer e locomoção e escores totais) no período anterior 12 meses.
Por outro lado, os pacientes com PPS tiveram maior gasto energético na atividade física ocupacional, no período de 21 a 30 anos, o único fator que corrobora a hipótese de "uso excessivo".
Considerando que o PPS é uma doença com unidades motoras gigantes, o aumento do gasto energético em qualquer domínio do questionário de Baecke pode indicar uma sobrecarga em unidades motoras.
O grupo PPS apresentou correlação negativa entre atividade física ocupacional, de 21 a 30 anos de idade, e início de novos sintomas, indicando que a atividade física ocupacional (profissão) exercida nesse período é o fator que provoca a sobrecarga física Aparecimento de novos sintomas.
O grupo PPS também mostrou correlação negativa entre a atividade física ocupacional, de 21 a 30 anos, e o nível educacional, indicando que aqueles que realizaram mais atividade física em sua profissão nesse período tiveram baixo nível de escolaridade. Este achado indica que um alto nível de educação pode possivelmente ser um fator de proteção para PPS.
O grupo PPS mostrou uma correlação negativa entre a atividade física ocupacional, de 21 a 30 anos de idade e a idade da poliomielite aguda, indicando que os que tiveram poliomielite mais tarde tiveram menos gasto de energia em suas atividades ocupacionais no período. Portanto, a idade da infecção aguda pelo poliovírus afetou negativamente o desempenho do trabalho dos pacientes, corroborando a afirmação sobre a gravidade das sequelas e as perdas físicas desses pacientes com PPS.
Como este estudo foi realizado em um centro de pesquisa especializado em doenças neuromusculares, a busca pelos pacientes foi passiva e espontânea. Os pacientes avaliados foram aqueles com mais sintomas ou que tiveram alguma necessidade social e / ou legal. No entanto, mesmo utilizando um questionário como ferramenta de pesquisa, que permitiu a análise retrospectiva do gasto energético, os pacientes em questão não tiveram dificuldade em compreender e preencher o questionário, o que correspondeu a um período de estudo mais longo (mais de 15 anos de Estudo: PPS = 48%, PS = 28,6% e CG = 33,3).
O estudo de um perfil de gasto energético em indivíduos com antecedentes de poliomielite paralítica prévia mostrou que o PPS é uma condição nosológica com características próprias e o uso excessivo de unidades motoras durante a vida é um dos fatores causais; Está diretamente ligado ao gasto histórico de energia durante a vida; Os pacientes com PPS tiveram maior gasto energético, especialmente na atividade física ocupacional, entre 21 e 30 anos, sugerindo que esta década é crítica para o desenvolvimento desta condição; Atualmente, os pacientes com PPS têm status diferente em relação aos grupos PS e CG, com maior frequência de fadiga, escores mais baixos nas atividades físicas usuais e consequentemente pior qualidade de vida; O excesso de peso pode ser um fator agravante para o desenvolvimento ou intensificação dessas limitações.
Considerando que o PPS pode ter uma relação com maior atividade física em um dado período de vida e / ou aumento do metabolismo basal, pesquisas futuras são necessárias para comparar a Escala de Gravidade da Fadiga com as medidas metabólicas basais.